Manaus, Sábado, 04 de Dezembro de 2021

Adaf esclarece produtores de abacaxi sobre o uso correto de agrotóxicos

15:44 - 27/07/2021

Produtores de abacaxi da Região de Novo Remanso (distrito de Itacoatiara, a 176 quilômetros de Manaus) receberam instruções sobre uso correto de agrotóxicos e devolução de embalagens vazias, durante participação da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Amazonas (Adaf) em evento promovido pelo Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (Idam) e Associação dos Produtores de Abacaxi da Região de Novo Remanso (Encarem), com atividades nos meses de junho e julho. 

A palestra “Aspectos Legais do Uso de Agrotóxico no Amazonas: Uma Análise dos Impactos na Indicação de Procedência ‘Novo Remanso’ para o Abacaxi” foi ministrada pelo engenheiro agrônomo da Adaf Acassio Eugênio, que atua na Unidade Local de Sanidade Animal e Vegetal (Ulsav) de Novo Remanso.  

Segundo Acassio, o encontro abordou três pontos principais: uma apresentação sobre a Adaf, sua importância e atribuições; as legislações que norteiam as ações da agência, especialmente as que discorrem sobre o uso de agrotóxico no Estado do Amazonas; e uma análise minuciosa do “Caderno de Especificações Técnicas da Indicação de Procedência ‘Novo Remanso’ para o Abacaxi”, que é um documento com todas as regulamentações da Indicação Geográfica. 

A palestra também mostrou a correta utilização de um Equipamento de Proteção Individual (EPI), para minimizar os riscos de contaminação e intoxicação, durante o manuseio e aplicação de agrotóxicos nas lavouras de abacaxi. Os produtores foram orientados, ainda, sobre a importância da realização da tríplice lavagem das embalagens rígidas de agrotóxico, para se evitar o acúmulo de residual de produtos e possíveis contaminações, e a sequencial perfuração do fundo da embalagem para a sua inutilização; além de receber informações sobre o armazenamento correto e a devolução das embalagens vazias de agrotóxicos. 

“Os produtores puderam constatar que o uso correto de agrotóxicos está diretamente relacionado às condições regulamentadoras para o uso da Indicação Geográfica (IG), sendo um ponto imprescindível para o desenvolvimento rural sustentável das comunidades locais inseridas na IG”, destacou o engenheiro agrônomo. 

O abacaxi da Região de Novo Remanso recebeu, em junho de 2020, o Selo de Indicação Geográfica na modalidade Indicação de Procedência (IP) do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi). O registro delimita a área geográfica de cultivo do abacaxi às regiões que compreendem os territórios das comunidades de Novo Remanso e Vila do Engenho, no município de Itacoatiara, e da comunidade de São Francisco do Caramuri, no município de Manaus. O sucesso e diferencial do abacaxi da região de Novo Remanso, entre os consumidores amazonenses, destaca-se pelo seu sabor adocicado, baixa acidez e pela coloração da polpa amarelada.  

A Encarem e seus respectivos produtores associados são os representantes atuais da Indicação Geográfica do Abacaxi de Novo Remanso e região.