-->
Manaus, Terça-Feira, 02 de Junho de 2020

Amazonas caminha para ter área reconhecida como livre de febre aftosa sem vacinação

13:00 - 30/04/2020

Estado recebeu autorização do Ministério da Agricultura para suspender vacinação em 13 municípios

 

O Amazonas deu o primeiro passo para obter o reconhecimento de uma área livre de febre aftosa sem vacinação, após receber autorização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para a suspensão da vacinação nos rebanhos bovinos e bubalinos em 13 municípios do sul e do sudoeste amazonense. A autorização foi dada por meio de instrução normativa, assinada pela ministra Tereza Cristina e publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta quinta-feira (30/04), e a suspensão passa a valer a partir desta sexta-feira (1º/05).

De acordo com a Agência de Defesa Agropecuária e Florestal (Adaf), a medida fortalecerá o avanço do agronegócio local. Atualmente, o Amazonas é livre de febre aftosa com vacinação e busca ser reconhecido como área livre de febre aftosa sem vacinação. A suspensão da vacina é o primeiro passo do protocolo de ações para que o estado obtenha o reconhecimento nacional pelo Mapa e internacional pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

“O Amazonas atinge um novo patamar sanitário e o fim da vacinação nos 13 municípios vai permitir aos produtores conquistar novos mercados, impactando valorização da produção de carne, leite, produtos e subprodutos, além de reduzir os custos, pois eles não precisarão adquirir a vacina. O Amazonas dá  passos seguros e firmes para fazer parte da elite sanitária brasileira relativo a sanidade animal”, comentou o diretor-presidente da Adaf, Alexandre Aráujo.

Aráujo destacou ainda que, atualmente, apenas os estados de Santa Catarina e Paraná detêm o status sanitário de Livre de Febre Aftosa sem Vacinação com reconhecimento nacional, e somente Santa Catarina com reconhecimento internacional.

Rebanho – Os 13 municípios detêm mais de 65% do rebanho do Amazonas. Ao todo, são 1.020.096 cabeças de gado, entre bovinos e bubalinos. O Amazonas possui um rebanho total de 1.562.081 animais. O município que se destaca com o maior rebanho, entre bovinos e bubalinos, é Boca do Acre, com 427.569. Em seguida, Apuí, com 157.209, e em terceiro, Lábrea, com 129.869 cabeças de gado.

O secretário de Estado da Produção Rural (Sepror), Petrucio Magalhães Junior, destaca o potencial da sub-região do estado e a viabilidade da ampliação do rebanho amazonense.

“O Governo do Amazonas está fortalecendo a defesa agropecuária para o avanço do status sanitário e a conquista da suspensão da vacinação contra febre aftosa nos 13 municípios da sub-região Sul vai valorizar nossa carne no mercado regional e com a possibilidade de exportação, pois temos nessa na sub-região do estado um grande potencial, com áreas degradadas, logística, vocação natural e mais de 1 milhão de cabeças de gado com potencial de ampliação desse rebanho sem a necessidade de desmatamento”, destacou ele.

Regras – Com a suspensão da vacina nos municípios de Apuí, Boca do Acre, Canutama, Envira, Eirunepé, Guajará, Humaitá, Ipixuna, Itamarati, Lábrea, Manicoré, Novo Aripuanã e Pauini, e ainda em parte de Tapauá que faz divisa com Humaitá, a comercialização, o uso da vacina contra febre aftosa está proibido, e o trânsito de bovinos e bubalinos terá novas regras nessas regiões.

“A partir de agora fica proibido o ingresso e a incorporação de animais vacinados contra febre aftosa nos municípios pertencentes ao Bloco I do Plano Estratégico (2017-2026) do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (Pnefa). Por isso, implantamos novos Postos de Fiscalização Agropecuária e reforçamos as Barreiras de Vigilância Agropecuária no Estado, para que passemos a ter um maior e seguro controle do trânsito de animais, vegetais, produtos e subprodutos para a futura área livre de febre aftosa sem vacinação,”, explicou o diretor presidente da Adaf, Alexandre Araújo.

 

 

 

 

FOTOS: Tácio Melo e Roberto Araújo/Secom