Manaus, Terça-Feira, 05 de Março de 2024

Mais de duas toneladas de produtos vencidos são apreendidas na Zona Leste

08:37 - 31/03/2023

Fraudadores maquiavam produtos para alongar data de vencimento

A Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf) apreendeu quase duas toneladas de produtos vencidos em um estabelecimento clandestino no bairro Mauazinho, na Zona Leste. Os produtos – barras de queijo, presunto e mortadela sem nota fiscal nem qualquer documento que indicasse sua procedência – eram fatiados e embalados com uma nova data de validade para serem comercializados. Os produtos impróprios para o consumo foram destruídos no aterro sanitário e o estabelecimento foi interditado. A operação foi realizada com apoio de agentes da Delegacia do Consumidor (Decon), da Polícia Civil.

A fiscal agropecuária médica veterinária, Gisele Torres, informa que, no total, foram apreendidos 2.083 quilos de produtos que eram processados sem o Serviço de Inspeção Estadual (SIE), portanto, de maneira irregular.

“O fracionamento desses tipos de produtos sem a presença do consumidor só pode ser feito com o Serviço de Inspeção Estadual (SIE) ativo. A certificação é a garantia que o consumidor tem de que o alimento foi processado segundo as normas higiênico-sanitárias pertinentes”, enfatizou.

O diretor-presidente da Adaf, José Omena, destaca que a agência está sempre a postos para atuar em ações que zelam pela saúde pública e pela segurança alimentar da população. “Nosso papel é garantir a inocuidade dos produtos de origem animal que chegam à mesa dos amazonenses, e temos na Visa Manaus uma grande parceira nesta missão no campo do varejo. Os estabelecimentos devem ter compromisso com a qualidade dos produtos que fabricam e precisam seguir as normas sanitárias e de biossegurança”, destacou.

Carcaça

Também na manhã desta quinta-feira, a Adaf apreendeu aproximadamente 500 quilos de carcaça de um bovino furtado de uma propriedade, em Tonantins (a 865 quilômetros de Manaus), após uma ação das Polícias Civil e Militar do município. Por se encontrar imprópria para consumo, a carne foi descartada no aterro sanitário.

Responsável pela Unidade Local de Sanidade Animal e Vegetal (Ulsav), o técnico de fiscalização Ewerton Salvador Mariano conta que a Adaf foi acionada pelas polícias, após a prisão de três homens e a apreensão de um adolescente,   suspeitos de furtar um bovino de um produtor local. Com o quarteto, foram apreendidos 500 quilos de carne do animal. “Essa carne não podia ser consumida pela população devido ao risco à saúde, pois ela pode estar contaminada”, ressaltou.

Everton relatou que produtores do município têm reportado constantes furtos de animais nas propriedades, com a finalidade de abate clandestino e venda irregular para açougues, que comercializam a carne sem procedência comprovada para a população. “A partir do momento que a carne já se encontra para a venda ao consumidor final, a Adaf não pode agir, pois não podemos autuar esses estabelecimentos, está fora da nossa alçada. Por isso é importante conseguir impedir esse ciclo ainda na fase do abate”, explicou o servidor da autarquia.

Irregularidades na produção, transporte e armazenamento de produtos de origem animal podem ser denunciadas à Adaf pelo AdafOuv, por meio do número (92) 99380-9174 (ligação e WhatsApp).