Manaus, Quarta-Feira, 24 de Abril de 2024

Portaria da Adaf inclui Atalaia do Norte na restrição de trânsito de cacau e cupuaçu

15:03 - 18/08/2023

Medida foi publicada no Diário Oficial, após detecção de foco de Monilíase no município

A Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf) ampliou para Atalaia do Norte (a 1.137 quilômetros de Manaus) a restrição de trânsito de vegetais e suas partes de espécies hospedeiras da praga Monilíase do Cacau e Cupuaçu, após a detecção de um foco da doença no município. Até então, o trânsito estava restrito apenas para os frutos saindo de Benjamin Constant e Tabatinga (distantes, respectivamente, 1.121 e 1.108 quilômetros da capital). A portaria com a ampliação foi publicada na edição de 11 de agosto do Diário Oficial do Estado (DOE).

O documento aponta que, considerando a possibilidade da praga dispersar-se para outras regiões do estado do Amazonas e demais unidades da federação, fica proibido o trânsito de vegetais e suas partes de espécies do gênero Theobroma e Herrania e outras hospedeiros da praga Moniliophthora roreri – Monilíase do Cacau e Cupuaçu – dos municípios de Tabatinga, Benjamin Constant e Atalaia do Norte, no Amazonas, para outros municípios do estado e ainda outras Unidades da Federação, até que sejam concluídos os trabalhos de contenção e erradicação da praga nas áreas de foco.

“Continuamos o trabalho de contenção e erradicação dos focos de monilíase no Alto Solimões. A detecção do foco em Atalaia do Norte é resultado do monitoramento nessa região. É muito importante que os produtores não transportem vegetais das espécies proibidas para outras áreas do estado e para outras unidades da Federação. Só com a união de todos teremos sucesso na contenção e supressão da praga”, afirmou o gerente de Defesa Vegetal da Adaf, Sivandro Campos.

A monilíase é uma doença devastadora que afeta vegetais dos gêneros Theobroma e Herrania, como o cacau e o cupuaçu, causando perdas de até 100% da produção de frutos e, consequentemente, a redução da renda do agricultor.

A detecção do primeiro foco da praga, no Amazonas, foi anunciada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), no dia 17 de novembro do ano passado, e aconteceu durante ações de monitoramento realizadas por uma equipe de técnicos do ministério em Tabatinga.

A confirmação se deu por meio de análise realizada pelo Laboratório Federal de Defesa Agropecuária de Goiânia (LFDA/GO). No dia 21 de novembro, o Mapa publicou portaria proibindo o trânsito de materiais vegetais das espécies hospedeiras oriundas dessas áreas para as demais unidades da federação. Em dezembro, com restrição imposta pela Adaf, o trânsito também ficou proibido dentro do Amazonas.