Manaus, Sábado, 28 de Janeiro de 2023

Saúde pública: Adaf apreendeu 40 toneladas de alimentos impróprios para consumo em 2022 

14:11 - 02/01/2023

Condições inadequadas de armazenamento, validade vencida e produção clandestina foram os principais motivos das apreensões

Para garantir a segurança alimentar da população do Estado, a Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Amazonas (Adaf) retirou de circulação, no ano de 2022, 40  toneladas de produtos de origem animal impróprios para consumo.

O número reflete a retomada de 100% das atividades dos produtores e de fiscalização, após o isolamento imposto pela Covid-19. Em 2020, quando tiveram início as restrições para tentar conter a disseminação da doença, foram apreendidos 21.041 quilos de produtos de origem animal impróprios para consumo, quase metade do que foi retido no ano passado.  “Esse salto nos mostra que tanto as indústrias voltaram a produzir mais, quanto a Adaf retomou integralmente a sua capacidade de fiscalização, que, aliás, foi reforçada com a entrada de servidores concursados, nomeados no meio da pandemia”, destacou o diretor-presidente da autarquia, Alexandre Araújo.

Condições inadequadas de armazenamento, matéria-prima com validade vencida, produção clandestina e problemas de rotulagem foram os principais motivos das apreensões. Em 2022, os produtos cárneos lideraram o ranking dos mais apreendidos, com 17.540 quilos retirados de circulação. Em seguida estão pescados (15.429 kg), lácteos (6.769 kg) e ovos (1.080 unidades).

O gerente de Inspeção de Produtos de origem Animal da Agência, Eudimar Rocha, esclareceu que a Adaf só apreende produtos impróprios para consumo, pelo risco que representam à saúde humana. Segundo ele, a ação da agência é fundamental para que só chegue ao consumidor um produto livre de contaminantes, como bactérias, fungos, vírus e substâncias tóxicas ou cancerígenas, que podem levar à morte.

Eudimar lembrou que apenas os estabelecimentos certificados têm garantia de produção em conformidade com rigorosos padrões higiênico-sanitários e que a população deve ficar atenta ao selo de inspeção na hora de comprar um produto de origem animal. “Por trás de cada selo de inspeção, seja ele municipal, estadual ou federal, existe toda uma preparação. São fiscalizações de rotina e análises laboratoriais para garantir à sociedade segurança alimentar”, ressaltou.

Qualquer cidadão pode encaminhar à Adaf denúncias relacionadas ao processamento de alimentos de origem animal por meio da Ouvidoria da autarquia, no telefone 99380-9174 (ligação e Whatsapp).