Manaus, Sexta-Feira, 25 de Setembro de 2020

Sepror, por meio de suas vinculadas, garante a qualidade dos ovos produzidos no Amazonas

13:44 - 30/05/2020

São produzidas por mês no estado 76 milhões de unidades do produto

 

O Amazonas tem 36 granjas produtoras de ovos, instaladas em seis municípios, com uma produção total mensal estimada em 76 milhões de unidades, de acordo com dados do Sistema Sepror (Idam, Adaf e ADS). São ovos frescos que chegam aos locais de venda e ao consumidor poucas horas depois de distribuídos pelos granjeiros, em sua maioria formados por empresas familiares. A produção é fiscalizada pela Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Amazonas (Adaf), que autoriza o uso do selo hexagonal do Serviço de Inspeção Estadual (SIE).

Manaus é o principal produtor, com 19 granjas, seguido de Iranduba (6), Rio Preto da Eva (5), Manacapuru (3), Presidente Figueiredo (2) e Itacoatiara (1). O Amazonas tem um plantel de aproximadamente 2,5 milhões de aves de postura, com produção dia de 2,2 milhões de ovos.

O secretário Petrucio Magalhães Júnior, titular da Secretaria de Estado de Produção Rural, destaca vários benefícios da cadeia produtiva do ovo. “A cadeia produtiva da avicultura de postura, produção de ovos, além de gerar milhares de empregos diretos e indiretos locais é responsável também pelo fornecimento de milhares de toneladas de esterco para a agricultura familiar, na produção de hortaliças e fruticultura, sendo considerado um excelente adubo orgânico”, lembrou.

Fiscalização – O controle dos produtos de origem animal é exercido pela Adaf por meio da Gerência de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Gipoa). A coordenadora de Ovos, médica veterinária Edra Ferreira Pará, tem sob sua responsabilidade garantir a inocuidade e qualidade deste produto ao chegar à mesa do consumidor.

“A inspeção é responsável por primar pela qualidade sanitária, higiênica e tecnológica dos produtos de origem animal, desde a estrutura adequada para a manipulação do produto, fluxo correto dentro da empresa, higiene dos funcionários, limpeza nas instalações e equipamentos, até a qualidade do produto em si. Tudo é fiscalizado para assegurar que o produto final não ofereça riscos à nossa saúde”, disse Edra Pará.

O órgão também realiza periodicamente a coleta oficial de amostras de produto dos estabelecimentos, para serem levadas ao laboratório para análise. “Se alguma inconformidade for encontrada, o produto é apreendido e/ou recolhido do mercado”, informa a coordenadora.

Sobre os trabalhos de sua coordenadoria, a médica explica ainda que, no caso dos estabelecimentos produtores de ovos, a fiscalização é periódica e ocorre normalmente a cada três meses. “Caso haja alguma infração às normas de inspeção, as fiscalizações são intensificadas naquela empresa. E, para cada irregularidade, a equipe de fiscalização toma uma medida. A empresa pode ser notificada, pode ser multada, ou até interditada, dependendo da gravidade da infração”.

Segundo a coordenação, o prazo de validade do ovo in natura varia de 25 a 30 dias, no que também influenciam as condições climáticas e o transporte. “Os ovos devem ser protegidos do sol, o transporte deve acontecer preferencialmente nos horários mais frios do dia e, se forem refrigerados, não podem mais ser armazenados em temperatura ambiente depois”.

Edra Pará chama a atenção dos consumidores para como reconhecer um ovo de boa procedência e controlado pelo estado, diante de um produto de origem duvidosa: “Ovos regionais inspecionados são sempre rotulados e, dentre todas as informações da rotulagem, eles possuem um Selo de Inspeção do Serviço de Inspeção Estadual (SIE), que é um hexágono. Isto faz toda a diferença para o consumidor ter confiança na hora de comprar, pois os ovos particularmente, são idênticos a olho nu, tanto os inspecionados como os não inspecionados (que chamamos de ‘clandestinos’). Então saber reconhecer o produto inspecionado através da rotulagem é muito importante”.

Granja – Um dos produtores de ovos no estado é a Granja Amazonas. Situada no ramal Boa Esperança, Km 61 da rodovia AM-070 (Manoel Urbano), no município de Iranduba, a propriedade produz ovos para abastecimento de supermercados, mercados, mercearias e padarias. O produto é encaminhado para uma distribuidora em Manaus, que faz a entrega na capital e cidades do interior amazonense.

A Granja Amazonas está em atividade há 15 anos, segundo o gerente José Wallace da Silva Sampaio, que está na empresa desde o início. No local existem hoje 50 mil aves produzindo, e outras 10 mil em processo criatório, todas ocupando o sistema de gaiolas, que dá maior garantia à saúde dos animais e a um produto de qualidade superior e sadio para os consumidores. A produção diária é de aproximadamente 44 mil ovos, entre brancos e vermelhos.

“Nós trabalhamos com 20 funcionários, e a empresa desenvolve seus projetos com recursos próprios, sem financiamentos até hoje. Nossa produção passa por rígido processo de seleção dos ovos, no qual são descartados todos aqueles que apresentam qualquer irregularidade, desde os ovos trincados aos que apresentam manchas ou quaisquer outras formas de inconsistência com nossas normas de padrão de qualidade e com as orientações dos fiscais públicos”, detalha o gerente.

Wallace também explicou, a título de curiosidade, que os ovos brancos e vermelhos (que mais parecem ser marrons) são produzidos de acordo com a linhagem das aves. “A genética de cada uma determina a cor dos ovos, mas todos são de mesmo valor nutriente, sendo que o ovo vermelho é mais valorizado e procurado pelo consumidor, por ser de tamanho maior”.

Os ovos produzidos no Amazonas competem no mesmo nível de qualidade com os que são produzidos no resto do país, mas os granjeiros locais levam vantagem ao poder proporcionar aos consumidores um produto novo diariamente, com pouco tempo de entrega entre granja e ponto de venda, e isto é muito importante, pontua Wallace Silva.

“O setor de produção de ovos está bastante aquecido, mas neste período de pandemia no estado e chegou a registrar escassez da produção entre os meses de março e abril, decorrente do grande consumo, situação que já está equilibrada. Entretanto, os produtores locais continuam enfrentando a concorrência externa, que oferece produtos vindos de outros estados, principalmente do Sul do país, a preços mais baixos, com os supermercados trazendo em carretas com grandes quantidades”, relatou o representante da Granja Amazonas.

FOTOS: Arquivo/Sepror