Manaus, Sábado, 21 de Setembro de 2019

Sistema Sepror vai inaugurar duas queijarias flutuantes em Autazes e visitará agroindústria de laticínios

14:09 - 26/06/2019

Modelo de Queijaria Flutuante no município de Careiro da Várzea

 

O Sistema Sepror, nesta quinta-feira (27/06), promoverá “Dia no Campo” em três queijarias no município de Autazes (a 108 quilômetros de Manaus), sendo uma agroindústria e duas queijarias no estilo flutuante. A queijaria Autalac, primeira agroindústria de laticínio da região e já certificada; a queijaria São José, na Fazenda Agarape, e a queijaria Santa Maria, na Fazenda Santa Maria. As queijarias São José e Santa Maria também passam a funcionar com o Serviço de Inspeção Estadual (SIE), emitido pela Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf), autarquia vinculada à Secretaria de Estado de Produção Rural (Sepror).

As visitas iniciarão pela agroindústria Autalac, para conhecer o primeiro laticínio de Autazes, que trabalha com volume aproximado de 4.500 litros de leite ao dia e contribui para o escoamento da produção de 55 produtores da agricultura familiar.

Em seguida acontecerão as inaugurações das queijarias flutuantes, São José e Santa Maria. A queijaria São José tem capacidade para produzir mil litros de leite por dia, porém seu processamento inicial será 400 litros/dia, o que irá gerar uma média de 40 a 50 quilos de queijo.

Já a queijaria Santa Maria terá uma produção de 600 litros de leite por dia, a partir da qual produzirá de 60 a 70 quilos de queijo para o mercado local e da capital.

A zootecnista da Sepror, Meyb Seixas, destaca a característica única e peculiar das queijarias flutuantes da região.

“As queijarias do modelo flutuante, com um método de produção único no mundo, promovem a produção de derivados lácteos com serviço de inspeção e mobilidade. Hoje o município já conta com cinco queijarias neste modelo, que contribui para o processamento leiteiro em dois biomas amazônicos, a várzea e terra firme, já que na realidade desta região o produtor trabalha de forma tradicional, aproveitando os campos de pastagem naturais das várzeas no período de seca do rio. Desta forma, ele poderá ter sempre sua produção com serviço de inspeção, seja em qual for o ambiente que esteja, por meio de somente um empreendimento”, lembrou Meyb.

O trabalho de regularização é um projeto denominado Rota do Queijo, desenvolvido pela Sepror e executado por uma equipe multidisciplinar composta por todas as instituições que compõem a Secretaria (Idam, Adaf e Seapaf), em parceria com as prefeituras. A finalidade é acompanhar todo o processo de regularização do empreendimento, bem como orientar quanto a Boas Práticas de Ordenha e Fabricação, para que o produto final chegue à mesa do consumidor com de qualidade.

Ainda durante o “Dia no Campo”, será realizada visita para verificar a reforma do Parque de Exposição, onde vai ocorrer a Feira do Leite de Autazes.