Manaus, Segunda-Feira, 19 de Novembro de 2018

Técnicos do Sistema Sepror participam de capacitação sobre práticas de manejo e fabricação do açaí

18:43 - 26/04/2018

Com o objetivo de capacitar os técnicos que atuam na cadeia produtiva do açaí no Estado do Amazonas, o Sistema Sepror, por meio da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (ADAF) e o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal do Estado do Amazonas (IDAM), nesta quinta-feira 26, deram início a programação do curso em “Boas Práticas de Manejo e Fabricação do Açaí”. Responsáveis das Unidades Veterinárias Locais (UVLS) e Escritórios de Atendimento a Comunidades (EAC) da ADAF e gerentes das Unidades Locais do IDAM, no interior participam da programação. O curso segue até amanhã (27/04).

Dentro do trabalho de defesa agropecuária e florestal, este treinamento é uma das estratégias do Governo do Amazonas para capacitar os técnicos do Sistema Sepror para serem multiplicadores de informações aos produtores rurais do Estado, no sentido de orientá-los sobre o combate e os riscos de contaminação do açaí, em particular a doenças de chagas, causada pelo inseto popularmente conhecido como barbeiro.

Durante a abertura da capacitação representantes do Sistema Sepror (IDAM, ADAF, ADS, SEPA e SEAPAF), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), através da Superintendência Federal de Agricultura no Amazonas (SFA-AM) destacaram a importância da cadeia produtiva do açaí para a economia do Estado, bem como a necessidade de garantir as práticas de higiene na manipulação do produto e a qualidade do açaí à população.

“A cultura do açaí é importantíssima para a economia do Estado. E para manter isso, criamos um Grupo de Trabalho (GT) entre as entidades de defesa, assistência técnica, vigilância sanitária e de pesquisa para debater o que seria executado sobre a disseminação de boas práticas de colheita e de manipulação do açaí”, destacou o chefe de defesa agropecuária e florestal da Adaf, Luiz Antonio.

De acordo com os dados de Produção Nacional do Açaí, publicado pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) em 2015, apontou que o Amazonas foi responsável pela fatia de 25,1% no mercado nacional de produção de açaí com 50.790 toneladas, o que gerou uma receita de R$ 93.417.000,00 com perspectiva anual de cerca de 1%.

“O consumo do açaí é como se fosse uma ‘febre’, no sentido do consumo. Por isso não devemos permitir que se torne  uma doença. O açaí é uma alternativa econômica e de grande potencial e devemos torná-lo cada vez mais como fonte de renda e com programas estruturados”, destacou o diretor técnico florestal do IDAM, Malvino Salvador.

Para Luciana Ferreira, responsável do EAC da ADAF em Lábrea, um dos maiores municípios do Estado que produz o açaí, a iniciativa surte o efeito da preocupação dos órgãos e principalmente da entidade defesa agropecuária e florestal. “O açaí é um dos produtos que mais geram renda no município e este encontro demostra que nós temos o papel e o compromisso de orientar os produtores e batedores de açaí e nossa preocupação é com a saúde pública de passar um alimento de qualidade aos consumidores”, destacou.

As atividades do curso seguem até amanhã.  Nos dias 21 e 28 de maio, o Curso ‘Boas práticas de Fabricação do Açaí’, será transmitido via Cento de Mídias de Educação do Amazonas (Cemeam), para produtores do cultivo de açaí e público afins.

 

Estavam presentes na abertura do evento, o chefe de departamento de Defesa Agropecuária Florestal, Luiz Antônio da Silva, representando a (Adaf) o diretor de assistência técnica e extensão rural do Idam, engenheiro agrônomo Airton Schneider, representando o secretário da Sepror, José Aparecido, o diretor de Assistência Técnica e Extensão Florestal, Malvino Salvador, representando o Diretor-presidente do Idam, Luiz Herval, , o chefe de departamento de negócios agropecuários e pesqueiros, Heitor Liberato, representando a Agência de Desenvolvimento Sustentável (ADS), a inspetora de saúde Eliane Souza da (FVS- AM) e o supervisor da área de transferência de tecnologia da Embrapa, Raimundo Rocha.

 

 

 

Fotos: IDAM